sábado, 29 de março de 2014

Zé Ramalho em Curitiba - Tour 2014

Zé Ramalho retornou a Curitiba e na bagagem trouxe a apresentação do seu mais novo show “Tour 2014”. O trovador, o "guitarrista do sertão", alguém universal que canta sua aldeia, com voz e cara do nordeste, sem perder a antena com o mundo e a humanidade, segue firme pelos palcos há mais de 30 anos fazendo a alegria de milhões de brasileiros.
A apresentação aconteceu no dia 22 de março (sábado), no Teatro Guaíra, completamente lotado. No show, o cantor reproduz alguns de seus maiores êxitos que venderam milhões de discos, mantendo o respeito da crítica especializada, em rara unanimidade.

Foto: Diego Kloss
Foto: Diego Kloss
Na “Tour 2014”, o cantor paraibano fez um passeio pelos clássicos “Avohai, Frevo Mulher, Admirável Gado Novo, Chão de Giz, Beira-Mar, Eternas Ondas, Garoto de Aluguel, Vila do Sossego, Taxi Lunar e Banquete de Signos”. Estas são apenas algumas das inúmeras pérolas que Zé Ramalho lançou e riscam o Brasil de Norte a Sul, derrubando fronteiras e provando que a grande música é universal. Todas estão presentes no novo show, que traz ainda releituras de Raul Seixas (Trêm das Sete e Medo da Chuva) e o grande sucesso, gravado com Chitãozinho e Xororó, Sinônimo.

Foto: Diego Kloss
Foto: Diego Kloss
Como espectador posso dizer que foi uma experiência magnífica e porque não mística, afinal as influências musicais de Zé Ramalho são a mistura de elementos da cultura nordestina (cantadores, repentistas e rabequeiros) com: a Jovem Guarda (Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Golden Boys e Renato e seus Blue Caps); a sonoridade dos Beatles, a rebeldia de The Rolling Stones, Pink Floyd, Raul Seixas e Bob Dylan; e elementos da mitologia grega, das histórias em quadrinhos e da literatura de cordel. Além disso, o cantor e compositor faz questão de retratar em suas canções sua própria vida, usando metáforas e frases poéticas.

Foto: Diego Kloss
Foto: Diego Kloss
Apesar do show ser relativamente curto e um pouco acelerado, durando apenas 1h e 40 minutos, pude sentir a excelência das composições de  Zé Ramalho e concluir que ele é um cantor e compositor incomparável e magnífico, mas com pouco espaço dentro da MPB. Como eu disse no post sobre o álbum "A Peleja do Diabo com o Dono do Céu", símbolos e metáforas não serão facilmente digeridos pela massa e se o grande paraibano conquistou o sucesso com seu cântico profético falando do homem e do povo, com muita luta e trabalho, enfrentando problemas pessoais, processos e o preconceito.

Foto: Diego Kloss

Zé Ramalho & Banda Z - ficha técnica:
Zé Ramalho - Vocal, guitarra e violão
Chico Guedes - Contra-Baixo
Zé Gomes - Percussão
Dodôde Moraes - Teclados
Edu Constant - Bateria
Toti Cavalcanti - Sopros

Nenhum comentário:

Postar um comentário