quinta-feira, 16 de junho de 2016

17º Feira do Vinil do Rio faz sua primeira edição do ano na Zona Sul, homenageando Wilson das Neves

Com cerca de 2000 frequentadores por edição, evento vai celebrar os 80 anos do baterista, compositor e cantor carioca, e reunir 60 expositores de todo o país, com raridades e lançamentos em LPs, CDS e compactos a preços para todos os bolsos

As edições da Feira do Vinil do Rio na Zona Sul são duas vezes ao ano e a próxima – primeira de 2016 – será no dia 19 de junho, Domingo, retornando ao Instituto Bennett, no Flamengo, onde o evento costuma colocar em torno de 2000 visitantes a cada edição, graças ao empenho do produtor Marcelo Maldonado, do curador artístico Marcello MBGroove (coletivo Vinil É Arte) e dos idealizadores Marcos Oliveira e Mauricio Gouveia (Livraria Baratos da Ribeiro). A feira tem o apoio da Satisfaction Discos e, assim como a anterior, será cobrada como entrada 1 kg de alimento, a ser doado para a instituição Lar de Tereza.



Desta vez, o evento vai homenagear o baterista, cantor e compositor Wilson das Neves, que receberá em mãos, no dia, o Troféu Feira do Vinil do Rio, dando continuidade à iniciativa do evento de sempre lançar luz na obras de compositores e intérpretes expoentes da música popular brasileira. O músico já tocou com mais de 750 artistas, compôs cerca de 200 melodias, lançou 13 discos e já se apresentou ao lado de Chico Buarque,  Paulo César Pinheiro, Aldir Blanc, Martinho da Vila, Moacyr Luz, etc.
Além da entrega do troféu, vai acontecer, no dia, o Encontro Box Beat, que reunirá beatmakers, produtores e interessados para, ao decorrer da feira, produzir beats que serão sampleados de um único LP do Wilson das Neves, previamente escolhido pela produção da feira. Ao final, do dia, os beats - produzidos em cima da música original do homenageado -  serão apresentados para o publico presente. Ao longo de toda a tarde, DJs e seletores cariocas apresentarão sets exclusivos 100% em vinil.




Além da habitual apresentação de DJs, estarão reunidos mais de 60 expositores de todo o Brasil. Do Rio, estarão presentes, dentre outros, a Tropicália Discos, a Sempre Música, a Arquivo Musical, além da Livraria Baratos da Ribeiro e da Satisfaction. Os paulistas serão representados pela Locomotiva, Neves Record, Groovnet rec, Mafer Discos, Sensorial e Zóyd, só para citar algumas. A feira terá também estandes de venda de CDs, equipamentos de áudio, marcas de roupas e acessórios com esta temática.


Fotos: Fábio Cezanne
No país, as feiras de vinil têm mobilizado expositores e apaixonados de todos os estilos e gostos. Em São Paulo, por exemplo, com três produtores diferentes organizando feiras regularmente - o mais antigo deles, Tangerino, está em atividade há mais de 20 anos. Em Belo Horizonte, a Discoteca Pública já promoveu mais de 20 edições na cidade, e até Curitiba já tinha há anos um evento de relevância internacional. A maior feira mundial do gênero acontece em Utrecht, na Holanda, e a cada semestre reúne uma média de 2 mil expositores, vindos de todos os cantos do planeta, num centro de convenções tão imenso quanto o Rio Centro.

Local: Instituto Bennett
Data: 19 de junho
Horário: Domingo, das 11h 30 às 20h
Endereço: Rua Marques de Abrantes, 55 - Flamengo
Entrada: 1 kg de alimento não perecível
Informações: (21) 98181-9733

Fotos e release cedidos gentilmente por Fábio Cezanne da Cezanne Comunicação - Assessoria de Imprensa em Cultura e Arte

4 comentários:

  1. Estive ontem na feira e estava irada - encontrei uns 4 itens que buscava e cujos preços estavam pelas alturas no Mercado Livre. Destaque para a nossa carioca Tropicália, sempre com ótimas ofertas e a Sonzeira de São Paulo. Saudações!

    ResponderExcluir
  2. Amigo, me surgiu uma dúvida. Um Toca Discos Dallas da Ribeiro e Pavani é melhor que as maletas da Crosley? Ou estão no mesmo patamar? Muito obrigado desde já!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Andrey
      Primeiramente obrigado por ler o blog.
      A questão de qual toca-discos adquirir é sempre complicada pois temos que levar em consideração muitos fatores. Entretanto, existem dois problemas principais, que são orçamento e espaço.
      Optar por um sistema de áudio analógico, e digo sistema porque não estamos falando só do toca-discos, demanda um bom investimento.
      Infelizmente todas as maletas, vitrolas, de marcas como ION, Crosley (inclusive essa que você citou é da Crosley), TEAC, Sonata e também Echo Vintage podem ser consideradas vinyl killers.
      Todas não possuem dois acessórios fundamentais para preservar a vida útil dos vinis: contra-peso e anti-skating.
      Além de possuírem peças de qualidade muito inferior: agulha e braço de plástico, cápsula de porcelana, motor de baixa potência e caixas embutidas muito fracas.
      Não posso recriminar essas marcas, mas também não posso indicar algo que não confio. Acredito que eles estão apenas aproveitando o bom do vinil para vender esse tipo de aparelho.
      Enfim, é difícil adquirir um sistema de áudio completo, indico ao meus leitores que procurem toca-discos, receiver, caixas, usadas, e vão trocando na medida do possível por aparelhos melhores.
      É possível achar aparelhos 3 em 1 usados de boa qualidade, mas claro que isso demanda pesquisa e também um certo risco.
      Fora isso, os TDs novos mais indicados estão num post no blog na seção Toca-discos.

      Excluir
  3. Quem quiser saber um pouco mais sobre esta feira, postei no meu blog alguns comentários. O site é http://amizadevinil.blogspot.com. Saudações.

    ResponderExcluir