quarta-feira, 4 de abril de 2018

O "Mechanical Techno" de Graham Dunning

O artista de instalação e dissidente musical Graham Dunning é obcecado por poeira, arranhões, os detritos de artefatos culturais e desmantelamento techno. Usando uma variedade de meios, incluindo fita, dubplates, gravações de campo e dispositivos eletrônicos hackeados, toca-discos e vinis, ele faz música em vários estilos, mas é mais conhecido pelo que chama de "Mechanical Techno". Essa técnica inclui trilhas construídas a partir de loops criados pelo empilhamento de vinil e dubplates em uma única mesa giratória e usando contatos elétricos para acionar instrumentos de sintetizadores e campainhas para woofers removidos dos sistemas de alto-falantes.

 Foto: Julien Kerduff
“Uma coisa que achei muito frustrante é que em um computador tudo é muito rígido” 
Graham Dunnin

Vivendo e trabalhando em Londres, Reino Unido, ele é totalmente autodidata e nos últimos anos tem sido extremamente prolífico em suas colaborações, lançamentos e performances. Ele leciona na Experimental Sound Art no Mary Ward Centre, em Londres, realizando vários workshops, tanto solo quanto em conjunto, excursionando por toda a Europa. Além disso, Dunning exibiu várias de suas instalações cinéticas dos Estados Unidos a Nova Zelândia e atualmente e reside na prestigiada Somerset House de Londres.
Um artista de leitura quase incompreensível, Dunning manipula vários dispositivos caseiros para criar um techno lindamente orgânico e instável, com a amostragem de vinil e o acionamento de instrumentos acontecendo em tempo real. Um gênio maluco que deve ser testemunhado ao vivo.



Fotos: Arianna Power
Graham Dunning trabalha com som, processos e objetos encontrados. Visualmente, seu trabalho baseia-se em sujeira, poeira e decadência, evocando noções de memória, coleta e arquivamento. Em termos de sonoridade, o trabalho de Dunning remixa os cortes culturais, freqüentemente utilizando o ruído indesejado inerente à reprodução de vinil e cassete.


"Ao longo dos últimos sete anos, Graham Dunning vem redefinindo constantemente o repertório como instrumento. Numa época em que os DJs dos clubes confiam cada vez mais em pen drives e softwares de mixagem sofisticados, a prática de Dunning está firmemente enraizada no material do prato, cartucho e vinil."

Conheça mais um pouco da arte de Graham Dunnig em:

Fontes

Nenhum comentário:

Postar um comentário