quinta-feira, 19 de junho de 2014

Dust & Grooves – Adventures In Record Collecting - Conheça o projeto de Eilon Paz o fotógrafo de colecionadores de vinil

Eilon Paz, fotógrafo especializado em discos de vinil.
Foto: © Copyright Eilon Paz
Sabe aqueles projetos engavetados que você não tem tempo nem dinheiro para realizar.
Enquanto o meu projeto ainda não sai do papel, vou mostrar algo bem semelhante ao que eu idealizei há uns dois anos atrás.
O colecionador de vinis da foto ao lado é o israelense, radicado nos Estados Unidos, Eilon Paz, fotógrafo especializado em discos de vinil idealizador do site Dust & Grooves e autor do livro recém-lançado "Dust & Grooves – Adventures In Record Collecting", que documenta as mais estranhas e fascinantes coleções de discos do mundo.
Nascido em Israel, agora residente em Brooklyn, NY, fotógrafo Eilon Paz tem viajado o mundo, da Austrália à Cuba, da Argentina à Gana, em busca de coleções intrigantes e memoráveis. Ele já lançou alguns livros de fotografia, com destaque para "The Book of New Israeli Food" (Janna Gur de 2008 Schocken / Random House). O trabalho de Eilon também já apareceu em publicações em todo o mundo, como Wax Poetics, Saveur, Monocle, Conde Nast Traveler, revista Sky Delta Airlines e algumas fotos de revistas de música francesa.
Paz cresceu na cidade do deserto israelense de Arad, a duas horas de distância de Tel Aviv que, como ele explica, "é muito isolado ... quando você fala sobre padrões israelenses. Talvez se tivesse uma loja de discos por lá." Porém, seu interesse por vinis realmente começou quando sua família se mudou para a Cidade do México no início de 1980. Lá, ele ouviu “Pipes of Piece” de Paul McCartney em vinil e assim começou um caso de amor de quase 30 anos.
Agora, em seu mais novo lançamento, o livro "Dust & Grooves – Adventures In Record Collecting", Eilion se permite entrar no mundo dos colecionadores de discos de vinil, fotografando o mais íntimo de seus ambientes e salas de audição, ouvindo e documentando suas histórias. Tudo começou há vários anos, como uma maneira de o fotógrafo preencher suas horas ociosas. Eilon  também é um colecionador de discos e pensou que poderia ser divertido começar a tirar fotos de pessoas cujas coleções foram recorde tanto em quantidade quanto em raridades.
O livro "Dust & Grooves – Adventures In Record Collecting".
Foto: © Copyright Eilon Paz
Adotando este como o seu projeto pessoal, ele começou a viajar o mundo em busca de coleções intrigantes e memoráveis, revelando a alma da comunidade de vinil em um conjunto de retratos que se transformou primeiramente em site.
No verão de 2012, Eilon lançou uma campanha e a Kickstarter financiou a sua viagem registrar colecionadores em todo o coração da América e desde então, o projeto tem sido abraçado por muitos amigos e patrocinadores que se voluntariaram para trabalhar com Eilon ao longo do caminho. Este ano, "Dust & Grooves" se expande ainda mais, complementando o site com um livro físico que exibe o perfis de mais de 130 colecionadores de vinil com ensaios fotográficos e entrevistas detalhadas.
Segundo Eilon, a idéia do livro surgiu a partir de uma apelo dos leitores do site "Na verdade, eles exigiram isso", disse Paz. "Eles diziam: você tem que fazer um livro. Foi apenas algo que eu estava fazendo no meu tempo livre. Agora parece que esse projeto tem mais de meu tempo."
O objetivo da Dust & Grooves, segundo Eilon, é manter a integridade da história do vinil, bem como a herança musical que vai junto com todos os registros nessas coleções. Além disso, mostrar como a tecnologia avança em diversos formatos de música para entrar na era digital. 
O autor quer que o livro seja uma meditação sobre a cultura de registro em geral, por isso ele foi atrás de colecionadores que obsessivamente se especializam por um gênero. "Eu ouvi falar de alguém com a maior coleção de registros de James Bond, eu gostaria de fotografar isso", diz Paz. Ele também está escreve em outro capítulo "como pessoas famosas que você não imagina, também colecionam discos" Em sua lista de desejos inclui o comediante Steve Martin, que supostamente tem uma coleção de vinis de banjo e o ator Matt Dillon, um aficionado por artistas brasileiros.



Em uma seção do livro chamada de "Paz: Cotações Vinil, reflexões filosóficas expressivas sobre o recurso de registros”, Paz o que explica a sua própria atração por eles. Ele faz uma pausa e, em seguida, responde: "o que eu gosto sobre registros é que eles são físicos. Você tocá-los, cheirá-los. Eles têm história e eles merecem a sua atenção quando você vai tocá-los. Você não pode simplesmente tocar um registro, colocá-lo no toca-discos e esquecê-lo. Se você esquecê-lo, ele irá lembrá-lo de que está lá."
Com um prefácio do RZA, o livro possui ensaios fotográficos convincentes emparelhados com entrevistas, tudo para ilustrar o que motiva os colecionadores de discos a continuar a comprar e procurar mais registros.
O livro é dividido em duas partes principais: o primeiro apresenta 250 fotos de página inteira emolduradas por legendas e citações selecionadas, enquanto o segundo é composto por 12 entrevistas completas para o leitor mergulhar mais a fundo em histórias pessoais dos colecionadores.

Conheci o trabalho de Eilon por volta de 2011 através de seu blog, "Dust & Grooves", vendo belíssimas fotografias dessas peças incríveis de arte. Agora, ler sobre essas pessoas que nunca viraram as costas para os registros é simplesmente magnífico. Eu me incluo entre eles, por isso, naturalmente, a intensa paixão era identificável e continua me fascinando a cada novo perfil. Olha que ainda nem comprei o livro, mas já está na minha lista de espera.
Veja abaixo alguns dos colecionadores com os quais Eilon Paz encontrou ao redor do mundo e um breve comentário a respeito de cada foto.

Joe Bussard, sentado em seu porão em Frederick, Maryland,
com alguns dos 78s mais raros no mundo,
todos uniformemente organizados após
seis décadas de pesquisa e classificação. Foto: © Copyright Eilon Paz
"A idéia original por trás do arquivo era pura arrogância,
para salvar duas cópias de todos os registros de todos os tempos.
Trinta anos mais tarde: Nemesis"- Bob George, no Arquivo de Música
Contemporânea, New York City. Foto: © Copyright Eilon Paz
Afrika Bambaataa, 43.000 discos em ordem alfabética somente de Hip Hop da
Cornell University Library, New York City. Foto: © Copyright Eilon Paz 
Vinil do Hydraulic Funk's - "Wild Style," da coleção de Bambaataa.
Foto: © Copyright Eilon Paz
"O único problema de ter tantos registros é,
 como você mantê-los arquivados? 
Eu tenho um sistema com base em gêneros, 
países e outros critérios." - Claas Brieler em Berlim, Alemanha.
Foto: © Copyright Eilon Paz
Andy Carthy, também conhecido como Mr. Scruff, de Manchester, Reino Unido.
Foto: © Copyright Eilon Paz
Miriam Lina e Billy Miller em Norton Records, em Brooklyn, Nova York.
Foto: © Copyright Eilon Paz 
Joey Altruda, um colecionador de vinil de Los Angeles.
Foto: © Copyright Eilon Paz
Eothen Alapatt, mais conhecido como Egon, um colecionador de discos
de vinil de Los Angeles. Foto: © Copyright Eilon Paz
Sheila Burgel, uma colecionadora de discos de vinil de Brooklyn, em Nova York,
especializada em grupos pop com mulher no vocal. Foto: © Copyright Eilon Paz
DJ Shame em sua casa em Worcester, Massachusetts. Foto: © Copyright Eilon Paz
Oliver Wang, um colecionador de discos de vinil,
escritor e jornalista de música de Los Angeles,
 fotografado com sua coleção de vinil em sua casa.
Foto: © Copyright Eilon Paz
No meio do percurso de Londres para as Filipinas, Keb Darge 
curtindo o poder de "Baby 'Fi' Hi", de Teddy McRae. Foto: © Copyright Eilon Paz
DJ Cut Chemist, Los Angeles. Foto: © Copyright Eilon Paz
Gilles Peterson – Londres, Inglaterra “Esse álbum – Mr. Hands’ de Herbie Hancock –
foi o que me apresentou a um tipo mais abstrato de jazz. Foi uma mudança do padrão
discoteca daquele tempo para um embaralhamento incrível e sem limites que antecedeu
a cena broken beat. Eu nunca vou me esquecer da primeira vez que o escutei.
Essa cópia é autografada por Herbie, a quem eu entrevistei 3 anos depois de achar o disco.
Ele é agora meu músico favorito.” Foto: © Copyright Eilon Paz
Bob Mays – Detroit, MI - O lendário comerciante de discos em casa, 
manuseando seus compactos de música caipira em sete polegadas favorito.
Foto: © Copyright Eilon Paz
Philip Osey Kojo – Mampong, Gana. Foto: © Copyright Eilon Paz
Em janeiro de 2011, eu viajei até Gana para documentar uma viagem
de Frank Gossner do Voodoo Funk. Nós conhecemos Philip Ozei Kojo,
um homem de 80 anos de Mampong que nos convidou até sua casa para
 que olhássemos seus discos, os quais ele não ouvia fazia 30 anos simplesmente
 porque ele não conseguia consertar seu toca-discos. A primeira vez que tocamos
 um de seus discos foi uma surpresa emocional inesperada para ele e para nós.
Alessandro Benedetti – Monsummano Terme, Itália. Foto: © Copyright Eilon Paz
Alessandro é detentor do Recorde Mundial no Guiness Book de maior colecionador
 de discos de vinil colorido. Fotografado aqui em sua casa com seu pai, Marinello, 
Alessandro está segurando uma cópia espelhada do ‘Bark At The Moon’, de Ozzy Osbourne. 
Acima da dupla estão os troféus que Alessandro ganhou jogando 

Subbuteo, uma variação mais elaborada do futebol de botão.
Dom Servini – Londres, Inglaterra. Foto: © Copyright Eilon Paz
Conduzindo uma pequena cirurgia em vinil na minha sala de discos.
 Observe esse disco de jazz-rock. A Faixa ‘Flute Thing’ foi fonte
para um sample famoso na faixa ‘Flute Loop’ dos Beastie Boys.
A capa também é demais; ‘900 Shares Of The Blues’
 não só contém o clássico do fusion ‘Like a Thief’,
mas também um cavanhaque muito melhor do que eu já consegui crescer!
Margaret Barton Fumo (Brooklyn, NY). Foto: © Copyright Eilon Paz
Eothen Alapatt, mais conhecido como Egon,
um colecionador de discos de vinil de Los Angeles.
Foto: © Copyright Eilon Paz
Mickey McGowan of San Rafael, CA. Foto: © Copyright Eilon Paz
Confira uma entrevista com Eilon Paz sobre o projeto.
Fonte: http://www.heavysoulbrutha.com/2014/04/eilon-pazs-dust-grooves-book-in-shops.html

Site: Suponho que a pergunta óbvia é: como e por que colecionadores de vinil se tronou o assunto do livro?
Eilon Paz: Eu sempre fui um colecionador de discos. Eu cresci com eles em Israel. A música sempre foi importante na minha vida. E na década de 80, o vinil era o único formato, até que lentamente mudou para CDs. Mas eu fiquei com vinil e como o tempo passou, ele começou a associar-se com nostalgia e com especial atenção para a música. Essa também é a razão de eu continuar colecionado. Eu não sou um audiófilo ou um purista.


Eilon Paz, fotógrafo especializado em discos de vinil.
Foto: © Copyright Eilon Paz
Então, isso é "por que o vinil." Quanto ao início deste projeto, eu me mudei para Nova York em 2008, no início da grande recessão e estava sem emprego por um tempo. Então, ao invés de estar ocupado com o trabalho, encontrei-me a passar muito tempo em lojas de discos. Nestes períodos em que você tem um monte de tempo, quando você está em um novo país, há um forte impulso para justificar o sacrifício que você fez, deixando sua família e amigos e chegar a um novo lugar. Senti uma vontade de fazer algo que valesse a pena e fiquei impressionado com a abundância de discos que encontrei aqui e pela comunidade de vinil: as pessoas falando sobre registros, comprando e vendendo, até mesmo nas ruas.
Meu interesse em vinil se animou quando cheguei aqui, mas o que realmente acendeu a chama foi quando estava lendo este artigo no Village Voice sobre esse cara alemão, Frank Gossner, que procurava registros na África. Era uma história alucinante. Eu descobri que ele estava morando em Brooklyn e eu perguntei se poderíamos nos encontrar e eu disse a ele sobre essa nova ideia que tinha de documentar a comunidade do vinil. Ele era favorável, gostou da idéia, então me levou para algumas lojas de discos. Lá eu conheci Joel Olivera de Tropicalia in Furs, foi ótimo. E é aí que tudo começou.

Site: O Dust and Grooves começou como um blog de fotos. Você estava sempre pensando em um livro, ou há um momento ou foto específica que fez você pensar em expandir o conceito de blog?
Eilon Paz: Eu nunca pensei que este seria um site ou um livro. Eu só queria trabalhar em um projeto de fotografia pessoal, e eu achei que o meu desemprego foi uma boa oportunidade para fazer algo que eu realmente importava e combinar estes elementos que eu realmente amava: música, fotografia e vinil.

Site: O livro "Dust and Grooves" tem um monte de financiamento por meio de uma campanha Kickstarter muito bem sucedida. O conceito original de um livro de 200 páginas paperback foi expandida para uma cópia de 400 páginas. Qual foi a sensação de obter tão grande apoio para o projeto?
Me surpreendeu completamente o nível de apoio. Eu sabia que tinha uma grande comunidade comigo, mas eu nunca pensei que iria explodir assim. Era o início de uma grande aventura. Realmente me fez sentir como acreditar em um bom carma, que fazer algo que você ama compensa. Essa foi a minha maior lição de vida a partir daí.
[...]

Site: Como foi essa experiência como um pesquisador / colecionador?

Eilon Paz: Isso me fez melhorar minha consciência sobre as escolhas. Eu não quero acumular muita coisa, então eu só quero obter os registros que eu realmente gosto. Eu também adoro os registros baratos. Eu prefiro esperar por um registro, do que perseguir um recorde.

Veja mais fotos e conheça o projeto em www.dustandgrooves.com

Um comentário:

  1. maravilhoso eu adoreisa coleçoes e as reportagens lindo sayte

    ResponderExcluir