sábado, 2 de agosto de 2014

Os prós e contras do Método de Limpeza de Vinis com Cola

Nessas últimas semanas, me deparei com uma matéria a respeito de limpeza de vinis usando cola branca ou cola de madeira, vinculado ao vídeo mostrando como aplicar esse método.
Em vários grupos e fóruns que participo o pessoal discute a eficiência do método e, com o intuito de esclarecer essa questão da melhor maneira possível e tentar orientar os novos e antigos colecionadores que estão testando e aplicando erroneamente esse método, pesquisei bastante em sites e fóruns e consultei alguns colecionadores e um audiófilo.
Para o grupo favorável ao método (audiokarma), a aplicação da Cola Branca melhora a qualidade do som e os chiados somem, apesar do custo, tempo e do trabalho. Porém, a grande maioria afirma que a técnica só deve ser aplicada em vinis em estado muito ruim ou com sujeira muito grossa.
O vinil é feito de Policloreto de vinila e a Cola Branca (considerada atóxica) é composta de Copolímero Vinílico, Acetato de Tributil Citrato e 1,2-Benzo-Isotiazol-3(2H)-ona, portanto teoricamente não há nenhum mal em aplicar cola sobre o vinil. Porém, é bom lembrar que não entram nesse grupo a Cola de Madeira, de Sapateiro ou as Colas a base poliuretano, pois além de tóxicas, possuem outra composição química que pode sim danificar o vinil.
http://www.audiokarma.org/
Não sou químico, nem especialista em som, por isso gostaria de ouvir uma opinião a respeito desse assunto para poder compartilhar no blog.
Segundo o audiófilo “Método de Aplicação de Cola” para limpeza de vinis é totalmente reprovável, pois mesmo retirando a camada de cola da superfície do vinil da maneira correta, as frágeis cristas de alta frequência do disco de vinil serão danificadas. Ele ainda reforça: "a cola está na parte 'O que jamais deve ser usado na limpeza de vinis'. [...] qualquer método para lavagem ou limpeza de Disco de Vinil ou LP deve ter um embasamento técnico-científico e as ciências envolvidas na explicação, obrigatoriamente, devem ser a química e a física. E o que vejo espalhado pela internet afora são métodos leigos sem absolutamente nenhuma fundamentação. [...] Não imagine que está certo o método correto para limpeza de discos de vinil apenas por você ter visto isso num órgão público ou empresa privada ou até fabricante de vinil: eles nunca justificam tecnicamente e quimicamente seus métodos. Apenas os enunciam, despreocupadamente. Já li sobre método de grande gravadora internacional, que mandava utilizar na lavagem de seu LP, metade água comum e metade álcool comum. Uma irresponsabilidade.
Entramos então no grupo desfavorável ao método que afirmam que a Cola, seja de qualquer tipo, “gruda” na sujeira e nas cristas de alta frequência e retira a camada mais sensível do som presente no vinil, por isso a falsa sensação de que o som melhorou.
A cola levanta a parte da sujeira mais dura não tirando a gordura, mas irá reduzir a fidelidade da gravação, suavizando as altas frequências. Repita o processo 5 ou 6 vezes (se você tiver paciência e cola suficiente) e o vinil começá a perder o topo das gravações e a cola começa a rasgar a ponta das ranhuras mais finas. Assim, tudo o que é removido com esse método é estático e todos os riscos ainda são evidentes e audíveis.
Outro fator agravante do método, além do custo, tempo e desperdício de material, é que a cola pode deixar resíduos que, se não retirados adequadamente, vão entrar em contato com a agulha e danificá-la.
http://www.audiokarma.org/
A maioria dos colecionadores não pesquisa e não se preocupa em perguntar a pessoas mais experientes e acreditam em qualquer método milagroso para tirar chiados e as sujeiras mais duras do vinil. Além disso, acabam optando por métodos mais trabalhosos e com materiais e substâncias prejudiciais que vão acabar a longo prazo danificando não só o vinil, mas também a agulha do toca-discos.
No caso da Cola Branca, acredito que não há nenhum problema em aplicar em vinis que estão em péssimo estado, afinal o método não prejudica o material, porém irá eliminar sem dúvida a camada de altas frequências. Para quem quiser realmente aplicar é importante lembrar que deve-se retirar toda a cola depois da aplicação para não danificar a agulha. Entretanto, não é recomendável aplicar em vinis bons ou com poucos chiados, para esses casos existem métodos mais eficientes, como os preconizados nesse blog, até para as sujeiras mais duras e principalmente gordura. Inclusive já existem algumas máquinas de vinis com baixo custo, como a PHK, que serão objeto de estudo num próximo post.
Não testei e não aprovo o Método da Cola, por isso aconselho optar sempre pelos métodos de limpeza corretos e pelos produtos mais simples (água e detergente neutro). Não usem outros materiais nem inventem ou apliquem técnicas milagrosas sem antes pesquisar bastante e consultar pessoas mais experientes.
Qualquer dúvida, informação ou sugestão sobre o assunto, pode entrar em contato pelo email. Lembro que esse post está sujeito a atualizações.

Um comentário: