sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Destruidores de vinil: toca-discos que detonam os vinis

A venda de toca-discos e a produção de vinis no Brasil vêm crescendo nos últimos anos e várias são razões que impulsionam cada vez mais pessoas para o formato.
Nessas últimas semanas, vi vários comentários e reportagens a respeito dos toca discos novos vendidos em lojas famosas, livrarias, internet, entre outros.
Comecei a fazer uma breve pesquisa e notei que o assunto era mais sério do que eu esperava pois o aumento da procura pelo vinil fez com que a procura por toca-discos novos aumentasse. Algumas marcas se aproveitaram desse mercado em crescimento para vender toca-discos com um preço razoável de forma acessível ao grande público e obtiveram grande apoio das grandes redes de lojas por todo Brasil.
Além do design vintage, algumas possuem as caixas embutidas e também cabem em qualquer lugar. Entretanto, o que muitos novos colecionadores não levam em consideração, talvez por falta de informação, é que a maioria desses novos toca-discos é feito de uma material de péssima qualidade e pior, detona a médio-longo prazo os vinis. Pessoas que viveram o tempo do vinil e conservaram sua coleção também formam o público-alvo desse tipo de produto.
A maioria dos novos toca-discos desse tipo possui peças de qualidade muito inferior: prato, braço, motor e parte mecânica feira de plástico, além da utilização de cápsula de cerâmica de baixa qualidade, muito usada em alguns toca-discos da década de 1970 e 1980.




A maioria possui fabricação chinesa e o que muda entre as várias marcas e modelos são os "adereços": retorno automático, pré e/ou amplificador embutido, caixas acústicas ou alto-falantes incluídos, usb, mp3, radio, cores diversas e tamanhos diferentes, incluindo as portáteis. Porém, a grande maioria não possui peças primordiais como contra-peso e regulagem de anti-skating.




Além da má-qualidade das peças e do som, a maioria desses toca-discos não possui um motor forte para suportar o peso de um 180g por exemplo e pior, o peso que a agulha exerce sobre o vinil fica entre 4g e 6g, sendo que o recomendado é no máximo de 2g a 2,5g. Esse peso excessivo destrói os sensíveis sulcos do vinil, danificando a qualidade do som a médio/longo prazo.
No Clube do Vinil e Toca-discos de Curitiba, grupo ao qual faço parte, discutimos essa semana esse assunto, além de diversos assuntos relacionados ao vinil. Até achei interessante algumas colocações, que vou descrever aqui. O colecionador Rafael Bardal sitou um teste de um desses modelos no qual a balança foi regulada para 5g e afirma: "Isso não é um toca disco, mas um destruidor de discos."... "se elas fossem vendidas por aqui com o preço que é vendido lá fora, a partir de $30-40, diria que para quem esta começando e quer conhecer o som do vinil, diria que vale a pena. Porém nossa realidade é bem diferente."


Daniel Pitt levantou uma questão interessante: o difícil acesso dos toca-discos de boa qualidade. "Acho que um dos grandes problemas na real é a indisponibilidade de toca discos decentes nas lojas, você não encontra aqui em Curitiba, por exemplo, Technics ou Rega nas lojas de áudio e vídeo, no máximo em lojas que mexem com TD e usados... a grande maioria das pessoas que querem ou acham interessante nem sabem que existem coisa melhor e por um preço compatível, acham que aquilo que ta ali na loja do shopping é coisa boa".




Assim, fica o alerta para os novos colecionadores ou aqueles que estão atrás de um toca-discos novo. Existem vários modelos e marcas de boa qualidade a um preço não tão absurdo. O grande problema talvez é que não adianta investir num bom toca-discos e não pensar no sistema de áudio. O investimento também deve ser feito num bom pré-amplificador, equalizador, amplificador, caixas acústicas e também nos cabos e conectores. O toca-discos não pode vir sozinho pois todos os componentes influenciam na qualidade final do som. Por isso, pesquise, leia fóruns, fale com colecionadores mais experientes antes de adquirir qualquer equipamento. (Não deixe de ler o artigo completo sobre toca-discos) ´
Para aqueles que já possuem um equipamento desse tipo, aconselho uma troca assim que for possível, pois o problema não é só os materiais serem de má qualidade ou o som baixo das caixas embutidas, nesse caso dá para resolver ligando o TD numa caixa auxiliar. O grande problema fica por conta da baixa rotação e principalmente pelo peso excessivo que o braço e o conjunto agulha e cápsula exercem sobre o vinil. Para essas toca-discos com toda a certeza vale o velho ditado "por fora bela viola por dentro pão bolorento".

Já está disponível no blog uma lista com o Toca-discos mais indicados, confira em Toca-discos 04 - Qual toca-discos comprar?

77 comentários:

  1. Já perdi a conta de quantas vezes falei para pessoas não comprarem esse tipo de coisa. Quem avisa amigo é....
    :-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tb.. pior q não adianta, eles pensam que digo isso pois quero enfiar a faca no preço, visto que sempre tenho algo para venda.... Eh foda...

      Excluir
    2. Tenho 02 TD que são Show de Bola! Um Sony TS-P20BS e Um Sharp RP-31.Feliz Natal e Beijo No Coração,Valeu!!!

      Excluir
  2. pratinho de plastico, alguns fora de rotação ainda, som ruim parece prato com sobra de peças da philips e ainda de ceramica e sem regulagem de peso do braço sem molejo pulador pra caralho não toca disco de 180 gramas fica lento uma porcaria com som de lata velha vale apena comprar um prato magnético um bom amplificador e um bom par de caixas seu vinil agradeçe!

    ResponderExcluir
  3. Me deem uma dica! Qual toca discos que existem no mercado são relativamente bons com preço em conta? Grato!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. procure uma loja de usados e compre um amplificador e uma vitrola antiga (Garrad, Phillips, Gradiente etc...)

      Excluir
  4. Eu levei sorte com um dos últimos modelos de toca discos da antiga, CCE. Pois é, o que apelidamos de "Conserta, Conserta e Estrega" foi comprado em 1993. Eu e meu esposo não tínhamos "grana" para um melhor, então compramos o que deu. Pensei que não ia durar nada, mas está firme até hoje!
    E depois de ler esta matéria, vamos continuar com ele.

    Já vi estes novos modelos nos shoppings. Achei lindos, mas não sabia que a qualidade era ruim assim. Já é duro manter o vinil sem arranhões, imagina colocar o disco para tocar e depois descobrir que o danificou ?

    Diego você está certo :"Por fora bela viola, por dentro pão bolorento"
    Obrigada pelo alerta!
    Lilly

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lilly
      Obrigado à todos por ler o blog.
      O intuito da matéria é realmente alertar os novos colecionadores ou amantes do vinil sobre o perigo de adquirir esse toca-discos retro. Parece exagero, mas infelizmente não é. Muitos colecionadores inexperientes compram esse tipo de toca-discos porque não querem gastar muito num sistema de áudio completo e de melhor qualidade.
      Porém, indiciar marcas é bem complicado, pois depende muito de quando você quer e pode gastar. Eu tenho uma Staton T92 há dois anos e não tenho do que reclamar. Aconselho a esperar mais tempos e guardar mais dinheiro para adquirir um toca-discos, pre-amp (qdo necessário), receiver e caixas de melhor qualidade. Além de pesquisar muito em fóruns e grupos do face.

      Excluir
  5. Parabéns pela postagem, Diego. Serve de alerta a todos.

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho dois TD: essa vitrola aí da matéria e um Sansui FR D-35. Não sou audiófilo, mas pra mim, que toco em bandas e já tenho um ouvido mais "acostumado", é notório a qualidade de som entre os dois, mesmo que conectados ao mesmo sistema de som. Acho o som desta vitrola magro e sem corpo, principalmente, com graves meio mortos.

    Ao contrário, o som que o Sansui me proporciona é muito melhor, com corpo, graves bem presentes. E uso a vitrola mais em situações em que saio pra algum canto e quero ouvir algum vinil. Neste ponto a portabilidade fala mais alto, pois o Sansui pesa uns quase 5,0 Kg, sendo bem mais pesado que a vitrola. A vitrola peca por não ter contrapeso, anti-skating e o shell aparentemente é fixo, também.

    Eu penso assim: quem quer iniciar nesse mundo dos vinis e não tem muito como investir no momento, a vitrola é uma saída mais econômica, até mesmo porque a pessoa não pode se privar de ouvir um vinil porque não tem condições de comprar um TD mais caro, um high end e tal, mas ela pode iniciar assim e posteriormente ir para um melhor. Se a pessoa não se importar em investir em um usado, porém bom, assim como eu fiz, acho que a saída é mais interessante, pois é uma garantia de equipamento bom, durável (isso é muito hoje em dia com equipamentos fabricados já com prazo de validade) e que não dará tantas dores de cabeça futuramente.

    O importante é apreciar o vinil e toda a ritualística envolvida nesse processo.

    Ótimo blog! sempre que dá, estou por aqui lendo.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pela matéria e por mais uma vzs destinar seu tempo trazendo em questão essa grande venda de vinil nos últimos anos e pondo em questão essa vinda tbm de novos TD made in china..........abraço

    ResponderExcluir
  8. Eu tenho um CTX Classic Retro, a qualidade do seu toca fita é horrível.

    ResponderExcluir
  9. Um toca discos de marca Crowley é bom ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma verdadeira tranqueira!

      Excluir
    2. É Crosley. =] Inclusive, essa é a marca da vitrola desse post. Bem, falei sobre ela no meu comentário acima.

      Excluir
    3. Obrigado, vi uma em promoção no Walmart e vim logo aqui pra descobrir.Valeu Galera.

      Excluir
  10. tenho um garrard gradiente, eu envio ele para o concerto e restauração ou invisto em algo mais moderno?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se o conserto não for muito caro vale à pena

      Excluir
  11. Parabéns pela matéria. Mas agora estou na dúvida sobre qual vitrola comprar. Você me indica alguma marca com preço acessível?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Obrigado por ler o blog.
      Em Curitiba não existem lojas físicas, somente alguns representantes.
      Confira um lista de Toca-discos recomendados e algumas lojas em:
      http://devoltaparaovinil.blogspot.com.br/2015/07/toca-discos-comprar-audiotechnica-numark-rega-stanton-technics-vinil.html

      Excluir
    2. Com esse link não clicável e com a tecla Ctrl desativada fica difícil seguir teu link.

      Excluir
    3. Olá Noberto,
      Peço desculpas pois esqueci que não são permitidos links nos comentários. Mas para achar a matéria é fácil:
      Entre em Toca-discos dentro da aba seções na coluna esquerda da página. Lá tem todo conteúdo referente a toca-discos.
      Obrigado

      Excluir
    4. O ML está cheio de TD bom...uns bem caro...mas procurando encontrasse um bom com preço acessível

      Excluir
    5. O ML está cheio de TD bom...uns bem caro...mas procurando encontrasse um bom com preço acessível

      Excluir
  12. Pois é... também fiquei na dúvida... Em que lojas encontro bons equipamentos
    aqui em Curitiba?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      Obrigado por ler o blog.
      Em Curitiba não existem lojas físicas mas alguns representantes.
      Confira um lista de Toca-discos recomendados e algumas lojas em:
      http://devoltaparaovinil.blogspot.com.br/2015/07/toca-discos-comprar-audiotechnica-numark-rega-stanton-technics-vinil.html

      Excluir
  13. olá, assediado pela moda estou disposto a comprar um prato para conectar no meu receiver, no entanto um prato novo audio technica é muito caro para um acessório que eu tendo a usar pouco, somente para vinis que eu vejo eventualmente sendo vendidos nas calçadas, lojas de rua, etc. Não pretendo ser um colecionador, apenas comprar, escutar e revender. Gostaria de saber se vale a pena comprar esses toca-discos usados que giram em torno dos 300-500 reais, tipo Gradiente, Technics, etc. Alguém me dá uma ajuda?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu mesmo investi em um Sansui, modelo FR-D35, por 350 reais e estou satisfeito. Só fiz comprar um pré-amplificador, amplificador e duas caixinhas e pronto. (Y) Um ótimo custo/benefício por ser melhor que muitos tocadores que têm peças de plástico e qualidade duvidosa. Antigamente, os produtos eram feitos pra durar e não saiam das lojas com prazo de validade já. hehe

      Excluir
  14. Cleverson Eduardo Machado Dias28 de julho de 2015 18:32

    Achei muito legal, a volta dos toca discos, mais o preço é salgado...

    ResponderExcluir
  15. A última foto do artigo é a de uma vitrola portátil da marca Numark, PT-01 USB, marca essa que tem modelos recomendados em outro artigo do blog. Esse modelo é um "destruidor de vinil"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Olá Luciano. Na verdade o toca-discos da foto é o ION usb Mobile LP. Mas o Numark PT 01 USB também entra nessa categoria. No final do post eu inseri um link para os toca-discos mais recomendados pelos colecionadores.
      Obrigado por ler o blog.

      Excluir
  16. Olá, recentemente encontrei uma vitrola portátil Motoradio Somlinpo. Ela foi restaurada e se encontra em perfeito estado de conservação e funcionamento.
    Preço: R$ 250
    Sou um colecionador iniciante e tenho poucas pretensões audiófilas. Gostaria de saber se devo investir na compra do equipamento ou esperar mais um pouco e considerar aparelhos como Numark TT?
    Parabéns pelos ótimos posts e pela trabalho realizado pelo blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.
      As vitrolas portáteis antigas são melhores que as vitrolas produzidas atualmente. Se você está começando a ouvir vinis não há nenhum problema em adquirir um aparelho desse tipo, mas lembro que ele não possui dois acessórios fundamentais: o contra-peso e o anti-skating.
      Com o tempo você vai perceber que o vinil pode proporcionar uma qualidade de som melhor e partir você passará a investir em equipamentos de melhor qualidade. Leia o post.
      http://devoltaparaovinil.blogspot.com.br/2015/07/toca-discos-comprar-audiotechnica-numark-rega-stanton-technics-vinil.html

      Espero ter ajudado

      Excluir
  17. Existe sim em Curitiba lojas com toca discos de alta qualidade, Livemax e Euro Áudio que ficam na rua Dr. Carlos de Carvalho.

    ResponderExcluir
  18. Tenho uma CTX classic, curto meus discos de vinil tranquilamente, o som não é potente, não tem amplificadores, mas dá para curtir os discos tranquilamente, afinal eu quero curtir meus discos e não colocar som para os vizinhos escutarem!!!

    ResponderExcluir
  19. E o que me diz da crosley spinnerette?
    Parece ser menos pior que as "maletinhas" pois a agulha é diferente. Nunca escutei, mas confesso que fiquei curioso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Wagner, quase todas essas maletas retro da Crosley, Teac, entre outras, tem o mesmo princípio, não possuem acessórios imprescindíveis como o contra-peso e o anti-skating. Além disso, possuem cápsula e agulha de péssima qualidade. Eu não arriscaria comprar nenhum modelo desse tipo.
      Obrigado

      Excluir
  20. Sim, com certeza. Era só curiosidade mesmo. Não irei comprar, até pq não curto muito as coisas "retrô" sou mais nos vintage mesmo. Tenho um 2x1 que era da minha vó, e me quebra um galhão, até eu ter grana pra comprar um melhor.

    ResponderExcluir
  21. Tenho um ION Profile LPBR. Esse modelo é ruim? Ele não tem contrapeso, porém toca bem os 180g e os graves são incríveis! Não sei como estarão os discos daqui a algum tempo. :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fernando.
      Infelizmente os Toca-discos da ION também fazem parte do Vynil Killers, justamente por não possuírem contra-peso e anti-skating, além é claro da qualidade da própria agulha. Mas o vinil não vai ser detonado em apenas algumas audições, é algo a logo prazo, devido ao peso excessivo exercido pelo conjunto cápsula+agulha. Na década de 70, 80 e 90 já existiam toca-discos desse tipo e nem por isso as pessoas deixavam de ouvir discos. Mas quando você tiver a disponibilidade aconselhamos comprar um modelo de melhor qualidade e você com certeza notará a diferença.
      Obrigado.

      Excluir
  22. Boa Tarde Diego, antes de tudo quero te parabenizar pelo teu blog no qual fiz algumas pesquisas e leituras para comprar meu primeiro TD. Junto ao meu orçamento, localizei esses três, gostaria da sua opinião quanto a isso, desde já te agradeço muito.
    http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-730141084-toca-disco…
    http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-731429881-toca-disco…
    http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-732348438-toca-disco…

    ResponderExcluir
  23. vocês conhecem algum bom revendedor de td em Sao paulo?

    ResponderExcluir
  24. Todos os toca discos que não tem contra peso estragam os discos? Obrigado.

    ResponderExcluir
  25. Primeiramente, parabéns pelo artigo. Muito esclarecedor.

    Agora tenho uma dúvida: aqueles toca-discos portáteis da Philips da década de 1970 podem ser considerados também destruidores de vinil?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Thiago.
      Infelizmente sim. Na verdade grande parte dos toca-discos e vitrolas sem contra-peso possuem esse problema.
      Claro que antigamente a maioria das pessoas não se preocupavam em proteger a vida útil do vinil. Ainda sim, as vitrolas portáteis antigas podem ser consideradas melhores que as novas, mas ambas devem ser apenas decorativas.

      Excluir
  26. Ganhei um ioN Pure LP e meus vinis de 180g pulam. Li aqui que pode ser por não haver contrapeso. Pesquisei também que não tem como colocar um contrapeso. Consigo trocar o barço? Como ou onde posso resolver isso?
    Abrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ragnar.
      Obrigado por ler o blog e entrar em contato.
      Desculpe a demora, tenho que responder inúmeras mensagens do email e página do facebook (até por lá o contato é mais fácil e rápido), por isso demoro um pouco.
      Enfim, não conheço nenhuma forma viável de trocar o braço de um toca-discos. Se algupem souber peço até que esclareça. Aconselho você procurar um técnico ou comprar outro toca-discos de melhor qualidade.
      Fico à disposição

      Excluir
  27. Cara, parabéns por esse artigo, me esclareceu algumas coisas. Mas me tire uma dúvida: tenho um toca discos ION pureLP, vc sabe se é mais um dos danificadores de vinil? Se não aguenta 180g? Não consigo manter a rotação correta por mais de 4 meses. Por favor, me ajude.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcus.
      Desculpe a demora. Respondo mais rápido pelo email ou pelo facebook.
      Primeiramente obrigado por ler o blog.
      A questão de qual toca-discos adquirir é sempre complicada pois temos que levar em consideração muitos fatores. Entretanto, existem dois problemas principais, que são orçamento e espaço.
      Optar por um sistema de áudio analógico, e digo sistema porque não estamos falando só do toca-discos, demanda um bom investimento.
      Infelizmente todas as maletas, vitrolas, de marcas como ION, Crosley, TEAC, Sonata e também Echo Vintage podem ser consideradas vinyl killers.
      Todas não possuem dois acessórios fundamentais para preservar a vida útil dos vinis: contra-peso e anti-skating.
      Além de possuírem peças de qualidade muito inferior: agulha e braço de plástico, cápsula de porcelana, motor de baixa potência e caixas embutidas muito fracas.
      Não posso recriminar a ION, mas também não posso indicar algo que não confio. Acredito que eles estão apenas aproveitando o bom do vinil para vender esse tipo de aparelho.
      Enfim, indico ao meus leitores que procurem toca-discos, receiver, caixas, usadas, e vão trocando na medida do possível por aparelhos melhores.
      No seu caso aconselho trocar por um toca-discos de melhor qualidade, quando for possível, claro.
      Espero ter ajudado

      Excluir
  28. eu comprei uma dessas vitrolas recentemente, botei poucas vezes pra tocar. Depois de ler esse artigo eu nao vou usar ela mais, acho que vou vender e comprar uma antiga. Espero que nao tenha danificado os discos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá.
      Os discos não serão danificados no ato da audição e sim a longo/médio prazo. Mas de qualquer forma aconselho a trocar por um toca-discos de melhor qualidade.

      Excluir
  29. Ola Possuo um toca disco Sharp da década de 70, estava pensando em trocá-lo por um desses mais modernos porém após ler seus artigos desanimei completamente. O grande problema é que meu toca discos não está mais funcionando. Você teria algum contato de pessoas que fazem essa manutenção no Rio de Janeiro?
    Obrigada desde já

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cecília.
      Obrigado por ler o blog. Que bom que as informações foram úteis.
      Infelizmente não conheço assistências técnicas no RJ, teria que ver com os sebos e lojas de disco mesmo.
      Para ver uma lista de lojas do Rio acesse no blo mesmo:
      Menu na esquerda > Visita > De Volta Para o Vinil Visita 01. Não posso por o link mas está aí o caminho.
      Espero ter ajudado.

      Excluir
  30. O CTX Maestro também é um destruidor de vinil?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Desculpe a demora. Respondo mais rápido pelo email ou pelo facebook. Primeiramente obrigado por ler o blog.
      Sim, também é um vinyl killer. Veja as considerações na resposta que ao Marcus Araujo logo acima.
      Espero ter ajudado

      Excluir
  31. Boa noite!estou em dúvida entre sl 1200 usada custa 6000reais o par ou plx 1000 pioneer que custa 8000 reais o par

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Washington...
      As duas marcas são excelentes, mas a technics dependendo do estado do toca-discos, é melhor.
      Obrigado

      Excluir
  32. Existem bons aparelhos à venda no mercado, o problema é o preço absurdo que custam!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Optar por um sistema de áudio analógico de qualidade não é realmente uma tarefa fácil e barata, exige pesquisa e investimento.

      Excluir
  33. Olá, estou prestes a comprar um TD da RAVEO ARIA que une o toca discos e Bluetooth (um dos motivos da compra - unir o retrô com tecnologia) para dar de aniversário ao meu marido. Não entendemos profundamente de som, mas também não quero jogar dinheiro fora. Alguém saberia me dizer se vale a pena?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá
      O TD da Raveo Aria também entra categoria de vinyl killers como você pode conferir na postagem acima.
      Se vc não quer gastar muito indico comprar um TD usado ou um 3 em 1 antigo.
      Mas isso exige bastante pesquisa e um certo risco.

      Excluir
    2. o toca discos raveo aria, me parece melhor tem contra peso e capsula magnética

      Excluir
  34. Eu tenho um CTX conectado a um CCE modelo 2005. Apenas assim consigo tirar algum som "amplo".
    Consegui um Gradiente Spect 76 que estava encostado no sítio de meus avós.Infelizmente o prato não funciona e precisa de uma geral (correia, agulha, ajustes nos botões, etc.). O deck de cassete e rádio e o amplificador deles estão em ordem. Infelizmente as caixas já não existem mais. Gostaria de saber dos audiófilos mais experientes se o custo para arrumar totalmente este prato do Spect 76 Gradiente vale o provável custo alto em seu conserto.
    Em tempo: O CTX que possuo, tem 2,5 anos, passou a apresentar problemas de lentidão e tremor no prato tem alguns meses.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Alan.
      Obrigado por ler o blog.
      Pois bem, todos os problemas dos CTX hoje são bem conhecidos, mas muitas pessoas ainda caem na propaganda das grandes lojas e compram esse tipo de aparelho.
      Faça primeiro um orçamento em alguma assistencia técnica para ver qto vai custar o conserto do toca-discos. Se você ver que vai gastar muito, invista num sistema de áudio de melhor qualidade. Dê uma olhada na sessão toca-discos no blog, tem uma matéria com o Tds novos mais indicados.
      Espero ter ajudado

      Excluir
  35. Bom dia, tenho lido com bastante atenção esses tutoriais e fiquei bastante satisfeito com as informações. Agora tenho a seguinte dúvida: não sou colecionador, mas tenho alguns vinis do Pink Floyd pois ultimamente alguns lançamentos da banda têm incluído além dos habituais cd's e bluray's, discos em vinis de 180g. Dessa forma, estava pensando em adquirir um tocador. Não tenho intenção em adquirir formatos em vinil, mas apenas para escutar eventualmente esses discos que não tenho como fazê-lo hoje. Ai fica minha pergunta: vale a pena eu investir em um aparelho de boa qualidade cujos preços estão sempre acima de 1300, 1500, ou mais, para essa minha condição? Tem algum tocador de preço mais acessível que não vá me gerar prejuízo tão imediato para quem escuta vinil "uma vez na vida ou na morte"? Obrigado pela orientação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Leandro, vou repetir as orientações que passo aos meus leitores...
      A questão de qual toca-discos adquirir é sempre complicada pois temos que levar em consideração muitos fatores. Entretanto, existem dois problemas principais, que são orçamento e espaço.
      Optar por um sistema de áudio analógico, e digo sistema porque não estamos falando só do toca-discos, demanda um bom investimento.
      Infelizmente todas as maletas, vitrolas, de marcas como ION, Crosley, TEAC, Raveo, Sonata e também Echo Vintage podem ser consideradas vinyl killers.
      Todas não possuem dois acessórios fundamentais para preservar a vida útil dos vinis: contra-peso e anti-skating.
      Além de possuírem peças de qualidade muito inferior: agulha e braço de plástico, cápsula de porcelana, motor de baixa potência e caixas embutidas muito fracas.
      Não posso recriminar essas marcas, mas também não posso indicar algo que não confio. Acredito que eles estão apenas aproveitando o bom do vinil para vender esse tipo de aparelho.
      Enfim, com menos de 3.000 é difícil adquirir um sistema de áudio completo, indico ao meus leitores que procurem toca-discos, receiver, caixas, usadas, e vão trocando na medida do possível por aparelhos melhores.
      Os TDs novos mais indicados estão na lista no blog na seção toca-discos.
      Também para você entender todo o universo do áudio analógico indico a leitura dos artigos da seção toca-discos.
      Espero ter ajudado.

      Excluir
  36. Parabéns e obrigada pelos posts! Meu Mitsubishi tangencial não tem mais agulha, segundo o técnico, e está bem chatinho. Cogitei comprar esses retrôs bonitinhos, mas ainda bem que encontrei vocês! Meus discos são meus xodós, nem pensar em destruí-los em aparelhos tão ruins. Uma pena que os bons sejam tão caros. Vou acho que vou tentar encaixar um bom usado de outro modelo, por enquanto... (Apaixonada pelo Audio-Technica LP-120! - alguém querendo vender um usado?)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Elisa
      Obrigado por ler blog.
      Ainda bem que você não comprou um desses vinyl killers, garanto que você ia se arrepender amargamente.
      O Auido Technica LP-120 é um excelente toca-discos, mas lembre-se que você vai precisar também de um bom sistema de áudio, com receiver e caixas de boa qualidade.
      Qualquer dúvida contate-nos pelo email.

      Excluir
  37. Olá amigo. Estava vendo as agulhas à venda aqui... a famosinha Sjn 68, encontrada em lojas por uma média de 90 reais... bati o olho nesse anúncio no ml e me espantei! Você tem ideia se essas agulhas cumprem a função sem prejudicar os discos e o aparelho? Olha só o preço...é discrepante demais!! http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-751135750-agulha-sjn-68-diamantada-para-vitrola-ion-ctx-sony-otto-_JM

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rafael...
      Sendo bem sincero eu não usaria essas agulha com base de plástico nos meus vinis. Se são discos velhos com chiados e riscos, não há problemas. Mas vinis importados e novos que são caros eu não arriscaria numa agulha desse tipo.
      O preço de 90 reais não se justifica, muitas lojas estão se aproveitando do boom do vinil para enfiar a faca.

      Excluir
  38. Ola, comprei um toca discos da marca ION e do nada, sem levar uma batida ou queda, o automático do toca discos parou de funcionar... Enfim, quem quiser coisa boa procure realmente os antigos que são mais em conta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Fillipe
      A marca ION também pode ser incluída nos vinyl killers.
      Optar por um sistema de áudio analógico demanda pesquisa e investimento.
      Existem TDs antigos excelentes, mas tem alguns novos, sugeridos por colecionadores que também são bons.
      A Lista você pode conferir aqui no blog, na seção Toca-discos.

      Excluir
  39. Ola, comprei um toca discos da marca ION e do nada, sem levar uma batida ou queda, o automático do toca discos parou de funcionar... Enfim, quem quiser coisa boa procure realmente os antigos que são mais em conta.

    ResponderExcluir
  40. Bom dia!

    Gostaria de adquirir um toca discos para uso em casa. Nada tão sofisticado, mas que tenha bom some e o mais importante, nada que poderá estragar meus lps.

    Li e reli essa matéria. Inicialmente iria comprar um íon Max LP. Mas quando vi a matéria, fiquei insegura. Depois vi o Ravel. Não queria um 3 em 1, mas vi que ele pelo menos tinha o contra peso, o braço em S e agulha de safira. Mas depois vi aqui que ele tbm esta na lista.
    Mesmo com o contra peso ele estraga os lps?

    Sei que os melhores são mais caros. Mas queria somente uma pickup com som. E isso, não estou encontrando. Todos os indicados são aparelhos profissionais, que precisam ser acoplados a um outro aparelho de som. E eu só queria algo menor para uso em casa, mas que não estrague o vinil.

    Pelo que vi, o íon é pior que o Ravel. Ou não sei se são considerados iguais... Mas então, será que não encontro outro nesse sentido? Pequeno, bom e com som próprio?

    É isso! Se puderem me ajudar, ficarei extremamente grata.

    Irma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Irma
      Primeiramente obrigado por ler o blog.
      A questão de qual toca-discos adquirir é sempre complicada pois temos que levar em consideração muitos fatores. Entretanto, existem dois problemas principais, que são orçamento e espaço.
      Optar por um sistema de áudio analógico, e digo sistema porque não estamos falando só do toca-discos, demanda um bom investimento.
      Infelizmente todas as maletas, vitrolas, de marcas como ION, Crosley, TEAC, Raveo, Sonata e também Echo Vintage podem ser consideradas vinyl killers.
      Todas não possuem dois acessórios fundamentais para preservar a vida útil dos vinis: contra-peso e anti-skating.
      Esse modelo da RAVEO com regulagem, digamos que seja um pouco melhor, pois tem essas regulagens, mas possuem peças de qualidade muito inferior: agulha e braço de plástico, cápsula de porcelana, motor de baixa potência e caixas embutidas muito fracas.
      Não posso recriminar essas marcas, mas também não posso indicar algo que não confio. Acredito que eles estão apenas aproveitando o bom do vinil para vender esse tipo de aparelho.
      Enfim, com menos de 3.000 é difícil adquirir um sistema de áudio completo, indico ao meus leitores que procurem toca-discos, receiver, caixas, usadas, e vão trocando na medida do possível por aparelhos melhores.
      É possível achar aparelhos 3 em 1 usados de boa qualidade, mas claro que isso demanda pesquisa e também um certo risco.
      Fora isso, os TDs novos mais indicados estão na lista na seção toca-discos.
      Espero ter ajudado

      Excluir