sábado, 19 de dezembro de 2015

Toca discos 05 | Acessórios para toca-discos e sistemas de áudio analógico

Entrar no mundo do áudio analógico não é uma tarefa muito fácil nem barata. Além disso, exige bastante conhecimento principalmente sobre os componentes do sistema, regulagem e nivelamento de toca-discos, possíveis problemas, entre outros assuntos já abordados na seção Toca-discos.
Optar por um sistema de áudio analógico também exige alguns cuidados de limpeza, manutenção e regulagem e por isso, no post Toca-discos de hoje, iremos abordar um pouco a respeito de alguns acessórios disponíveis no mercado que auxiliam nessas tarefas, com o intuito de melhorar a qualidade sonora.
Depois de muita pesquisa de informações em sites, fóruns e com alguns colecionadores do Clube do Vinil e Toca-Discos de Curitiba, consegui fazer um levantamento dos principais acessórios utilizados por colecionadores e vou descrever nesse post para que servem e no que eles ajudam no desempenho do toca-discos. As maioria das informações encontradas foram baseadas em informações dos fabricantes dos acessórios e na opinião de alguns colecionadores. Dessa forma, não foram extraídas informações de livros ou artigos.
Lembro novamente que os acessórios e métodos são apenas sugestões e não itens obrigatórios, assim a escolha por esses segue por sua responsabilidade. O blog não se responsabiliza por qualquer dano material ou físico ocasionado pela aplicação incorreta dos acessórios, instruções e procedimentos.
A compra dos acessórios descritos vai depender do nível de qualidade que você deseja atingir e do quanto quer investir nessa tentativa.
É importante salientar também que não sou audiófilo, nem engenheiro de som, por isso o que você vai encontrar aqui é um resumo do que eu encontrei na web e conversei com colecionadores e vendedores de vinil, além é claro, da minha própria experiência.
Esta página está em constante atualização, por isso se você tiver dúvidas ou sugestões, mande um email ou deixe um comentário.

1) Acessórios anti-estáticos
São produtos utilizados para proteger objetos sensíveis e materiais contra os efeitos perigosos de eletricidade estática.
A eletricidade estática é um fenômeno que é surpreendentemente fácil de ser criado, mesmo que de forma acidental, especialmente quando consideramos o quanto devastador os resultados podem ser nos equipamentos de um sistema de áudio analógico.

1.1) Escova antiestática
A escova antiestática foi projetada para remover sujeira, poeira e partículas de dentro dos sulcos do vinil, pois possui de uma alça de metal com fibras de carbono superfinas que removem suavemente a sujeira que podem causar estalos, estampidos e ruídos audíveis.
Além disso, a escova garante a proteção do vinil através da dissipação de cargas eletrostáticas que fazem com que o vinil atraia pequenas partículas após o atrito da agulha na audição.
É importante salientar que as escovas anti-estáticas não limpam mofo e partículas mais duras, para esse tipo de sujeira existem outros métodos mais eficientes como os preconizadas nesse blog em Limpeza de Vinis.
Outro grande problema é que as escova mais baratas tem uma grande desvantagem: a carcaça metálica não tem contato com as cerdas de carbono, não descarregando assim a estática pelo nosso corpo. Entretanto é possível resolver puxando um fio direto das cerdas e aterrando direto ao pré de phono ou utilizando uma pulseira anti estática.
Algumas escovas de melhor qualidade não precisam desse aterramento, afinal a carga pode ser facilmente dissipada para o corpo do utilizador, dizem os fabricantes.

Modo de uso:
1. Coloque o disco no prato e a acione o toca-discos sem a agulha;
2. Segurando a parte metálica da escova, coloque delicadamente o pincel entre os sulcos para algumas voltas até que a poeira será retirada.
3. Com o pincel sobre o vinil, puxe cuidadosamente a escova em sua direção. Tente não perder nenhuma partícula da poeira coletada. Pode ser necessário fazer uma segunda passagem para assegurar que partículas finas também sejam retiradas.
4. Gire o pincel no interior da pega de metal para limpar as cerdas.

1.2) Escova anti-estática automática
É uma escova acoplada que faz uma "limpeza" e tira a estática dos discos antes de passar pela agulha no momento da audição. A escova é formada por um contra-peso, válvulas de ajuste e a ponta com fibras de carbono ligados com fio-terra. A escova de fibra limpa o vinil enquanto roda e o caminho condutor da ponta do pincel de fibra de carbono para o fio terra dissipa cargas estáticas e reduz a atração de poeira no ar durante a reprodução.


A escova tem um contra-peso ajustável e mais um "pesinho" no eixo do próprio braço. Os dois pesos devem ser regulados para que a escova vá do início ao fim do disco antes de passar pela agulha. Além disso, é bom lembrar que não se deve por muito peso na escova a ponto de alterar a velocidade rotação do prato, por isso o ajuste deve ser preciso e equilibrado.


1.3) Pistola Zerostat
Se as escovas anti-estáticas não funcionarem, você tem ainda a opção de aplicar uma pistola anti-estática em algumas partes do vinil. Embora retire apenas um pouco da estática, a pistola funciona muito bem para alguns tipos de cápsula.

Comprima o gatilho lentamente durante cerca de dois segundos para emitir uma corrente de ar ionizado positiva sobre a superfície do objeto. Quando o gatilho é libertado lentamente, uma mostra negativa de íons de ar é produzido resultando na neutralização estática. Repita o processo em pelo menos três ou quatro áreas do disco a uns 30cm da superfície.
O Zerostat não precisa de pilhas ou alimentação eléctrica e ao contrário de outros produtos anti-estáticos, o Zerostat não contém componentes radioativos. Não use em um ambiente explosivo ou combustível.
Para alguns colecionadores, a pistola também não faz milagre e pelo preço talvez acabe não valendo muito pena para sistemas de áudio de média/boa qualidade.
É importante lembrar também que a pistola vem com o tester na caixa: é uma peça preta com uma lâmpada dentro que encaixa na extremidade, só serve pra saber se a pistola está funcionando corretamente. Na hora de usar, deve-se retirar essa peça senão não terá efeito algum.

1.4) Plástico anti-estático
Como dissemos nas dicas de Limpeza de Vinis, todos os vinis devem ter o Protetor Externo e Interno a fim de prolongar a durabilidade da capa e do vinil. Para isso, existem muitos modelos de protetores de capa e do vinil: de plástico, papel ou ambos, além dos plásticos anti-estáticos.
Os plásticos anti-estáticos tem a mesma finalidade da escova, evitar o acúmulo de pequenas partículas de poeira que podem entrar em contato com o vinil após ser retirado da capa. Além disso, eles conservam melhor os discos já que são feitos de um material próprio que não danifica o vinil. 
Alguns colecionadores optam erroneamente por utilizar protetores de papel que deixam uma quantidade impressionante de resíduos, arranham e liberam químicos no vinil.
Em seu contato com o disco, a aspereza do papel muitas das vezes, acaba lixando a superfície do vinil (fosqueamento) toda vez que o retira do papel. A conseqüência é incômodos ruídos que lembram uma fritura.
Além disso, a maioria dos papéis, a longo tempo em contato como vinil, acabam liberando químicos que mancham o vinil, principalmente em lugares mais úmidos.
A melhor opção realmente são os plásticos importados antiestáticos, de aparência fosca. O grande problema é o preço, mas talvez para os discos mais raros da coleção acabe valendo a pena.

1.5) Record Mat de Silicone ou Cortiça
Durante a audição do vinil, o próprio feltro o borracha do prato gera um pouco de estática, por isso uma outra opção para minimizar esse efeito é a troca por um Mat de silicone ou corti.





2) Acessórios desmagntizadores
2.1) Otimizador Magnético Talisman
Os campos magnéticos e eletricidade estática pode afetar muito a reprodução em um equipamento de áudio analógico. O Talisman é uma pedra de imã que dissipa temporariamente campos magnéticos e eletricidade estática, permitindo que a agulha transmita um sinal mais puro e preciso.
O talisman também pode ser utilizado para desmagnetizar os alto-falantes e alguns aparelhos do sistema de áudio. O Talisman não requer baterias ou cabos de alimentação e nunca precisa de ser recarregado.

3) Acessórios para a agulha e braço
3.1) Pincel para agulha (Stylus Cleaner)
Existem uma infinidade de modelos e marcas de pincéis para limpar a agulha. Elas até fazem uma boa limpeza quando aplicadas corretamente na agulha, mas o grande problema além do preço dos pincéis é que a composição do líquido. Muitas vezes, alguns químicos presentes na composição desses líquidos, degradam a qualidade da cola que prende diamante ao cantelever da cápsula. O álcool da composição provoca dilatação da cola e ao ligar o toca-discos isso gera calor e contração da cola. Aos poucos isso vai eliminado pequenas camadas da agulha.
Esse método segue os mesmos preceitos das outras limpezas líquidas, não exagerar na dose, o mínimo para o pincelzinho ficar úmido e não passar em lugar algum além da própria agulha e seu encaixe no cantilever.

É válido ressaltar que importante manter os vinis e o ambiente de audição limpos, sempre na tentativa de evitar limpeza sucessiva da agulha. Não há nenhum limpador e nenhuma fórmula mágica que seja capaz de eliminar todos os tipos de sujeira da agulha. Tem umas que ficam grudadas e são difíceis de remover. De qualquer forma, qualquer escova, seca ou molhada deve ser passada com muito cuidado para não entortar o cantilever.

Agulha suja
Agulha limpa
Uma opção mais segura talvez para limpar a agulha, porém mais cara, é o Zero Dust.

Veja um post completo sobre Limpeza de Agulhas.

3.2) Zero dust
É um gel bem consistente revestido por uma micro-camada porosa usada para limpar e tirar impurezas da agulha. Ao aplicar levemente a agulha no Zero Dust toda a sujeira fica presa e a agulha sai limpa e seca. Dizem que o Zero Dust, bem cuidado, pode ser usado por muito tempo e quando fica sujo é só limpar a superfície com um pouco de água morna.
Para aplicar basta repousar a agulha sobre o gel. Para tanto ache uma posição confortável e segura para realizar essa operação. Se fizer o processo contrário, deixar o braço na posição de repouso e levar a caixinha contra a agulha, uma pressão excessiva ou tremida na mão pode entortar o cantilever. Por isso, o Zero Dust deve ser aplicado com muito cuidado e técnica, visando evitar prejuízos maiores.

3.4) Balança para agulha
A balança é o acessório usado para verificar o peso que o conjunto do braço e, sobretudo, a agulha está exercendo sobre o vinil e também para tornar mais precisa a regulagem do contra-peso. Em alguns toca-discos que não possuem escala de gramatura em seu contrapeso, é imprescindível o uso desse acessório. Já para o toca-discos que tem essa escala é importante o uso da balança em alguns casos, pois pode haver divergência no peso da cápsula ou falha de projeto do braço.



Existem as balanças manuais que dão um pouco mais de trabalho para ajustar e as balanças digitais (acima) que são bem fáceis de ajustar e são mais precisas.

Se você adquiriu uma agulha de uma marca específica, procure comprar a balança da própria marca, assim você garante uma regulagem de contra-peso seja ainda mais precisa, respeitando o peso específico da agulha.
Para fazer a regulagem do peso da agulha confira o tutorial em: 3.10) Contrapeso

3.5) Levantador de braço (Tonearm lift)
Dispositivo usado para levantar o braço quando se chega ao fim do vinil no caso de toca-discos que não tem parada automática. Apesar de existirem alguns levantadores que servem para mais modelos, cada marca de toca-discos tem um levantador específico. Por isso, pesquise antes de adquirir e verifique também se é possível instalar no seu toca-discos.




4) Acessórios para ajustes e nivelamento
4.1) Gabaritos (Protractors) 
Protractors são os gabaritos usados para ajustar a cápsula no shell de modo que ela esteja perfeitamente alinhada em determinados pontos da trilhagem do disco.
O gabarito mais comum se baseia no fato de que, se o overhang for correto, sempre haverá dois pontos nos quais o ângulo entre o movimento da agulha e as paredes do sulco seja perpendicular, isto é, que o curso da agulha seja tangencial aos sulcos. Com isso, o erro de tangência será o mínimo possível no resto dos sulcos do vinil. Quem descreveu esse processo foi Baerwald, nos anos 40. Depois, aceitou-se como norma usar pontos situados a 66 mm e a 121 mm do eixo do disco.
O tutorial completo de ajuste você pode conferir também em: 3.8) O ângulo de tangência ou zenit (traking angle)

Lembre-se que cada toca-discos, cápsula e agulha possui um gabarito específico e eles são pagos. Porém você pode tentar alinhar com dois gabaritos grátis disponibilizados nos links abaixo. O ajuste segue por sua conta e risco.
No site da VinylEngine tem vários protractors (gabaritos para alinhamento):
http://www.vinylengine.com/cartridge-alignment-protractors.shtml
O ideal é você ter os dados do braço para obter o gabarito correto. Se você souber o fabricante/modelo do mesmo, na VinylEngine tem uma base de dados de braços, com esses dados: http://www.vinylengine.com/tonearm_database.php
Um membro do Vinyl Engine desenvolveu um programinha bem interessante para imprimir um gabarito personalizado, de acordo com a distância de montagem do braço e o método de alinhamento escolhido:
http://www.conradhoffman.com/chsw.htm
Aqui o tópico onde ele apresenta e discute o programa:
http://www.vinylengine.com/phpBB2/viewtopic.php?t=16849
Os dados necessários são geralmente o comprimento efetivo do braço (distância entre o pivot e a ponta da agulha), overhang (distância entre a agulha e o eixo do prato quando você coloca o braço alinhado com o raio do prato) e offset angle (ângulo formado entre o eixo do shell com o eixo do braço - no caso dos braços retos).
Existem gabaritos para todos os gostos e bolsos. Para os mais abastados apresentamos a protractor universal Dr. Feickert. Essa ferramenta proporciona ainda mais as opções para reduzir a distorção que pode ser causada por uma posição tangencial errada da cápsula. Esta é a melhor solução para alinhar com precisão a cápsula para um grande variedade de modelos de agulha e toca-discos. Não há mais adivinhação sobre o papel ou marcadores saliência de plástico ou de dispositivos espelhados como vimos acima, mas o problema é seu preço de $ 259,00.



4.2) Smartstylus
Para quem deseja se arriscar a fazer um ajuste preciso de VTA (Vertical Tracking Angle) e SRA (Stylus Rake Angle) existe o gabarito Smartstylus.
Este novo modelo de gabarito para SRA/VTA foi recebido bem por muitos audiófilos, pois contém uma lupa de mãe de 2x e 5x lupa mão em forma de cartão e uma barra acrílica removível com estabilidade 100 % na operação.


O Smartstylus é o primeiro modelo que permite configurar todos os parâmetros geométricos da cápsula: azimute, SRA e VTA de forma rápida e precisa.


Na verdade, alguns colecionadores não indicam fazer ajustes no STA e VTA sem ter conhecimento e técnica, pois um erro pode acabar entortando o cantilever ou quebrando a agulha de forma irreversível.

4.3) Disco estroboscópico (Strobe discs)
O Disco estroboscópico é um vinil usado para medir se a velocidade de reprodução do toca-discos está correta. Essa medição é feita de forma visual com o uso de uma luz estroboscópica.
A maioria dos kits vem com o disco estroboscópico com divisão para 50 ou 60 Hz de PVC flexível e durável e uma luz estroboscópica de mão pequena. O disco é capaz de verificar as velocidades de 33 1/3, 45 e 78rpm.

Para isso,  basta acionar o toca-discos na velocidade desejada com o disco estroboscópico no prato, apontar a luz estroboscópica no disco para que o número da velocidade real salte visualmente e seja possível fazer uma medição precisa.
Não chega ser um acessório imprescindível, mas é muito importante para alguns colecionadores preciosistas e para toca-discos nível hi-end. Para modelos mais simples onde a regulagem pode ter uma margem um pouco maior (ou que não tem regulagem e a medição só é por curiosidade), existe uma técnica a custo zero, basta ter um cronômetro e fita adesiva clara (para melhor visibilidade).
Coloque uma pequena tira da fita adesiva na lateral do prato e na frente do próprio toca discos. Agora é só fazer o prato girar e iniciar o cronômetro quando as duas fitas no prato e no toca-discos estão "batendo". Conte 100 voltas e quando completar, novamente com base do encontro das fitas no prato e toca-discos, pare o cronômetro. Esse ciclo deve ocorrer a princípio com exatos 3 minutos. Como há a imprecisão manual neste tipo de medição, este ciclo pode ser repetido algumas vezes e os cálculos do giro podem ser feitos com base na média dos diversos ciclos de medição. Claro que o método não preciso, mas dá uma boa noção.
Lembre-se de sempre fazer a checagem mecânica do seu toca-discos e qualquer problema da velocidade recomendamos procurar uma assistência técnica para trocar correia, polia ou diagnosticar o problema no motor ou peça do seu toca-discos. Leia 3.2) Checagem mecânica.

4.4) Nivelador (Spirit level)
Nivelador é acessório usado para ajustar o nível do próprio toca-discos e também em relação a superfície que ele está acomodado. Quando todo o seu equipamento está nivelado, a vibração é reduzida e o desempenho melhoria significativamente.
Como vimos em 3.5) Nivelando o toca-discos você pode nivelar o toca-discos com um nivelador simples de celular, mas no mercado existem niveladores específicos utilizados para cumprir essa mesma função de forma bem mais precisa.
Independente do uso ou não desse acessório o importante é colocar o toca-discos em cima de uma superfície firme e nivelada, pois se o móvel que você acomoda o toca-discos estiver desnivelado, será preciso calçá-lo ou se o piso for muito irregular, mudá-lo de lugar.
Depois de devidamente acomodado, é preciso verificar se o próprio toca-discos está nivelado. Alguns aparelhos possuem regulagem de altura nos pés ou no sistema de suspensão e conforme os resultados no nivelador, você ajusta para deixar o nível o mais próximo do círculo central.

5) Acessórios acoplamento
5.1) Clamp
Já tratamos de Clamp na seção toca-discos, mas iremos reforçar devido a importe contribuição desse acessório para a melhoria da qualidade sonora do sistema de áudio analógico.
Conhecido como peso anti-ressonância possuir a função de melhorar a resposta nas baixas frequências e aumenta dinâmica e profundidade sonora. O clamp também ajuda a minimizar as vibrações indesejadas do vinil, bem como a estabilizar o mesmo.
É importante lembrar que existem dois tipos: o "record clamp" e o "record weight". O "record clamp" é um clamp de fato, que tem como princípio de funcionamento exercitando pressão (sem necessidade de ser pesado) em cima do centro do disco se "agarrando" no pino central e assim mantendo a pressão.
O peso desse tipo de clamp em teoria não afeta o eixo de um toca-disco, uma vez que se agarra ao pino, permitindo que se controle a pressão aplicada para aprimorar o contato do disco com o tapete. Porém, o que pode afetar é o exagero ao se aplicar a pressão.




O "record weight" ou peso tem o objetivo do melhor acoplamento do disco no prato realmente através de peso, sem se prender ao pino central. Verifique se o seu modelo de toca-discos suporta o peso do clamp, pois qualquer aumento de peso no conjunto vai aumentar o atrito no rolamento e consequentemente reduzir a vida útil do próprio rolamento, da(s) correia(s) e do motor, que vai ter mais carga para iniciar o tracionamento do prato.
Uma dica boa também é sempre dar uma rodadinha com a mão no prato antes de ligar o motor. Isso alivia a carga inicial do motor e aumenta a sua vida útil.


Alguns colecionadores afirmam que em toca-discos de melhor qualidade, a maioria direct-drive no qual o rolamento é constituído de uma única esfera de aço, este problema é quase nulo, pois esses suportam pressões na casa da toneladas, e um prato, por mais pesado que seja, nem em sonho chegará a essa carga. Com relação a toca-discos de melhor qualidade com correia ou polia, aí sim pode haver um desgaste maior de todo o conjunto.
Outro fator importante a ser considerado no caso do uso do "record weight", é a limpeza dos discos e da agulha, pois a pressão que a agulha faz no sulco do disco é bem grande. Por isso, é altamente recomendável que se limpe bem o disco antes de usar, pois imaginem uma agulha exercendo uma grande pressão por centímetro quadrado passando por cima de uma sujeira. Além do desgaste da agulha, ocorre um desgaste do próprio vinil.
Uma das desvantagens do uso de clamp é o manuseio na troca de lado dos discos, pois para quem gosta de trocar de vinil é chato cada vez ter que desrosquear para soltar o clamp, já o peso é muito mais prático.
Leia mais em Acessórios de acoplamento, grupo no qual se incluem Clamps, Pesos, Tip Toes ou Spikes e Esferas Deslizantes (Shindo, Pulsar Points, Daruma etc).

6) Acessórios de desacoplamento
Esse tópico já foi tratado em  Acessórios de desacoplamento, grupo no qual se incluem os Vibrapods, Suportes Flexíveis (Elastômeros) e Sistemas com Molas de Compressão ou de Suspensão.

7)Acessórios de energia
7.1) Estabilizadores de energia
Ao contrário do que muitos podem pensar, a energia que chega até nossas casas pelos fios da rede de energia não é tão "limpa" como pode parecer à primeira vista.
Junto com os 60 Hz da "ondulação suave" da tensão da rede chegam picos de tensão denominados transientes, trens de pulsos e variações de maior duração, denominados surtos e até sinais de rádio gerados por aparelhos os mais diversos.



Os ruídos de maior frequência que chegam pela rede podem afetar o funcionamento de diversos tipos de aparelhos, principalmente os que operam recebendo sinais de rádio como receptores AM, receptores FM, televisores, video-cassetes e principalmente os sistemas de áudio a analógico.
No caso do toca-discos, esse ruído aparece na forma de barulho, um barulho que se assemelha muito ao próprio barulho do motor que o produz.
Para tentar amenizar essas interferências existem os caros estabilizadores de energia, que nada mais são que equipamentos que tem a função de proteger aparelhos eletrônicos das variações de tensão que recebe da rede elétrica. Portanto, suas tomadas devem trazer energia estabilizada, diferente da energia que vem da rua, exposta a variações.
O uso de estabilizadores em toca-discos é um tanto polêmico, pois alguns colecionadores acreditam que os estabilizadores sejam capazes de nivelar a tensão elétrica, a voltagem da rede, e, assim, os picos de energia não afetarão diretamente os aparelhos. Já outros, acreditam que o estabilizador não consegue atuar com grande eficiência nas variações de tensão da rede elétrica e por isso não reduzem as interferências e ainda podem danificar a fontes dos equipamentos.

7.2) Condicionadores de energia
Existe hoje muita dúvida e confusão a respeito de conceitos e terminologia usados nesta importantíssima área de atividade humana chamada Condicionamento de Energia.
Condicionar energia significa estabelecer padrões de comportamento previsíveis para a energia da rede elétrica do sistema público de distribuição. Portanto, um equipamento de condicionamento de energia recebe uma energia de corrente alternada denominada tensão AC, normalmente carregada de distúrbios e eventos potencialmente destrutivos e imprevisíveis. Esta tensão então é transformada em uma Energia AC condicionada a um comportamento previsível e aceitável para a maioria das cargas que necessitem desta energia. Por carga, chamamos qualquer tipo de equipamento ou dispositivo eletrônico como: motores AC, motores DC, lâmpadas, eletrodomésticos, computadores, equipamentos de áudio e vídeo, equipamentos médico-hospitalares, equipamentos de telecomunicações etc. conectados à rede elétrica.


Equipamentos sensíveis são definidos como aqueles que têm seu desempenho mais amplamente afetado pelos distúrbios da rede elétrica. Procuramos dar especial atenção à influência que uma rede elétrica mal condicionada provoca no desempenho de equipamentos de áudio. Neste setor, como em nenhum outro, os efeitos são extremamente perceptíveis.
A qualidade de energia elétrica do sistema público de distribuição deixa muito a desejar no quesito qualidade, o que impõe constantes limitações ao desempenho de equipamentos sensíveis e provoca severos problemas ao usuário, como queimas constantes ou manutenção precoce.
A despeito de todo o esforço das geradoras e distribuidoras de energia para minimizar estes problemas, eles existirão enquanto permanecer este modelo. Nós consumidores, portanto, devemos estar preparados para enfrentá-los.
Um último consenso entre os especialistas é que não é possível a correção dos distúrbios da rede elétrica sem o emprego dos condicionadores de energia. Dependendo do tipo e da qualidade dos mesmos, o usuário poderá obter graus diversos de correção dos problemas e níveis de segurança. Para o mercado de áudio, o usuário deve ter atenção redobrada, pois por melhor que seja a qualidade apresentada por um condicionador de energia, os efeitos nem sempre serão satisfatórios. Isto ocorre porque os filtros e fontes de alimentação intrínsecas a estes equipamentos possuem particularidades de projeto e construção, onde as impedâncias envolvidas podem não casar adequadamente, não provocando o efeito desejado. O que se recomenda neste caso é ouvir e ver, não há outra maneira.
Leia esse artigo completo sobre condicionadores de energia em  Condicionamento de energia: Consensos.

8)Acessórios para limpeza e lubrificação
8.1) Limpadores de contato (Contact cleaners)
Tão importante quando limpar a agulha é limpar de todos os conectores do sistema de áudio e, para isso, existem alguns produtos específicos chamados limpadores de contato.
Geralmente os limpadores de contato são uma solução condicionada que melhora a condutividade e fornece proteção de longa duração em ouro, metais de base e outros contatos de metais preciosos e conexões (ouro, prata, ródio, cobre, bronze, níquel, etc.). Alguns produtos ainda são capazes de dissolver pequenas quantidades de oxidação.
As sujeiras nos contatos podem causar algumas interferências indesejadas que prejudicam muito a qualidade da audição, por isso se a junção entre as duas superfícies de contacto não apresentar nenhuma barreira ao fluxo de elétrons, haverá uma integridade do sinal. O resultado é uma transferência ainda mais perfeita e confiável da música que está sendo reproduzida.
Os removedores retiram completamente todos os traços de contaminantes em qualquer superfície de conexão elétrica, com uma aplicação super simples e não deixam nenhum resíduo na superfície do conector.

8.2) Óleo para toca-discos (Turntable  Fluids)
São óleos totalmente sintético usados para lubrificar o motor dos toca-discos e o contato entre o prato e o motor. Eles foi projetados especificamente para uso com rolamentos afim de reduzir o atrito e possibilitar uma melhor fluidez do prato do toca-discos.
Se o uso do lubrificante não resolver o problema de baixa velocidade, lembre-se de sempre fazer a checagem mecânica do seu toca-discos e qualquer problema recomendamos novamente procurar uma assistência técnica para trocar correia, polia ou diagnosticar o problema no motor ou peça do seu toca-discos. Leia 3.2) Checagem mecânica.

9) Máquina de lavar vinil
As máquinas de lavar serão abordados em um post específico em breve.

10) Lojas para comprar alguns acessórios
www.needledoctor.com
www.elusivedisc.com

O blog não tem vínculo com nenhuma marca, site ou loja que vendem os produtos, esses sites de compra são indicações de colecionadores.
Aproveito para agradecer o pessoal do Clube do Vinil e Toca-Discos de Curitiba e também ao pessoal do htforum de onde extrai a maioria das informações contidas nesse post.

7 comentários:

  1. Mandou ver, Diego. Uma postagem muito completa e interessante. Mostra bem como a audição de discos de vinil é uma ciência e ao mesmo tempo uma busca pela perfeição sonora. Algumas coisas são muito loucas, assim como a maioria de nós, viciados nessa mídia fascinante.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom mesmo. Seria bom encontrar tudo isso facil no Brasil

    ResponderExcluir
  3. Preciso de um Target light pro meu toca discos. Vcs tem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Sílvio
      Infelizmente não trabalhamos com venda de peças para toca-discos.
      Obrigado por ler o blog.

      Excluir
  4. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  5. Sensacional o.texto.sobre.os cuidados de se usar um toca discos e poder usufruir de toda sua qualidade sonora. Nem todos que usam e apreciam o vinil, conseguem bons resultados de qualidade sonora por falta de.conhecimento e pela baixa qualidade do seu aparelho. E esse texto explica muito bem.como aproveitar toda qualidade do vinil.

    ResponderExcluir
  6. Sensacional o.texto.sobre.os cuidados de se usar um toca discos e poder usufruir de toda sua qualidade sonora. Nem todos que usam e apreciam o vinil, conseguem bons resultados de qualidade sonora por falta de.conhecimento e pela baixa qualidade do seu aparelho. E esse texto explica muito bem.como aproveitar toda qualidade do vinil.

    ResponderExcluir