domingo, 10 de setembro de 2017

Tutorial 03 | Como verificar o estado de um vinil?

Nesse post vou dar dicas de como você deve proceder na hora da compra de um vinil em sebos, feiras de vinil e também pela internet, listando também alguns truques mais comuns para tentar mascarar alguns defeitos nos vinis que são difíceis de serem detectados numa primeira análise.
Primeiramente é bom lembrar que a maioria dos vendedores fazem a troca de discos defeituosos ou que por algum motivo não tenham agradado o ouvinte. Muitas vezes o que acontece é que o próprio vendedor não consegue ouvir todos os discos que possui no acervo e o defeito só vai aparacer na audição. Porém, não é incomum alguns vendedores adotarem algumas técnicas a fim de mascarar alguns defeitos tanto no vinil quanto na capa.
Na verdade, o melhor teste para um vinil é a audição por isso se a loja disponibilizar um toca-discos não hesite em usar. Se você estiver numa feira, as dicas citadas a seguir são muito úteis, mas se você for comprar pela internet conheça os critérios de avaliação internacional já citados nesse post. Além disso, para confiar no vendedor, veja sua avaliação, como ele procedeu em algumas situações e pergunte todas as informações necessárias para ter uma boa descrição e avaliação do vinil, inclusive se o vendedor aceita devolução ou troca.

Verificando o estado de um vinil
1) Retire o vinil da capa puxando o vinil com o plástico para fora. Se o plástico estiver úmido é sinal de excesso de umidade ou de uso de silicone como veremos a seguir.

2) Encostando o dedo polegar na borda e o indicador no selo retire o disco do plástico e avalie visualmente os dois lados do vinil segurando pelas bordas, verificando riscos superficiais e possíveis ranhuras.


3) Coloque o vinil contra uma fonte de luz para ver esses riscos com mais detalhes, pois alguns riscos leves não comprometem a audição.


4) Passe o dedo bem de leve na parte lisa do disco para verificar a existência de silicone, grafite ou graxa. Muitas vezes é bem difícil detectar a presença desses materiais em uma olhada superficial.


5) Verifique se o encarte está junto com a capa, mas lembre-se que opção de ter ou não encarte é de gosto pessoal do colecionador.
6) Verifique se a capa está colada com plástico externo, pois alguns vendedores passam durex no meio da capa. É possível que a capa esteja com defeito, por isso bom verificar. Peça ao vendedor para cortar o durex se achar necessário.
Defeito na capa. Fotos: Diego Kloss
7) Depois verifique na internet uma média do preço de mercado seja ele nacional ou importado, verifique se o preço ofertado condiz com o estado do disco. Se sim faça a compra mais pegue um cartão ou o contato do vendedor para uma possível troca, principalmente se você estiver numa feira.
Lembre-se que alguns vinis não tem mais salvação, não adianta tentar lavar ou tentar outros métodos como o da cola por exemplo. Muitas vezes é mais fácil tentar achar outro exemplar em melhores condições.

Técnicas para mascarar defeitos em vinis

Polimento de vinil
Existem algumas máquinas para desbastar a superfície do vinil na tentativa de fazer com que os riscos desapareçam dando a aparência de novo ao vinil. Essa prática é mais comum do que se imagina, pois o vinil aparenta estar em bom estado, mas na verdade esse completamente "lixado". Quando esse vinil é colocado para tocar a agulha quase não encontra sulco para tocar e o som sai completamente chiado e muitas vezes inaudível.
É complicado entender porque alguns vendedores ainda utilizam o polimento na tentativa de sanar ou resgatar a integridade da superfície, pois na realidade estão acabando com o vinil.

O vinil da esquerda está normal e o da direita é um vinil polido.
Limpeza com silicone
A aplicação de silicone na superfície do vinil faz com ele fique bem mais brilhoso do que o de costume. Alguns vendedores aplicam essa técnica também para mascarar riscos superficiais e possíveis ranhuras profundas no vinil.
Esse brilho quase se assemelha ao disco novo, mas ao colocar o vinil para tocar, a agulha irá deslisar pulando em alguns faixas. Esse efeito cinzel danifica o vinil e pior, estraga completamente a agulha, pois um pouco do silicone fica na agulha.
A aplicação de silicone deixa resíduos e um pouco de umidade no plástico protetor quando usado em grande quantidade. Quando usado em pouca quantidade ou diluído em água, geralmente basta tatear a parte lisa do vinil para perceber que a superfície está gordurosa.
É bom lembar que silicone é material gorduroso e o que queremos nos processos de lavagem e limpeza de vinil é justamente retirar a maior quantidade de gordura possível para não haver a formação de mofo. 

Limpeza com grafite líquido ou graxa
Esses produtos são utilizados em pouca quantidade na superfície do vinil para esconder riscos e ranhuras e também para deixá-lo com aparência de pouco tocado. Geralmente quando você compra um vinil não é tão fácil perceber que esses produtos foram aplicados. Algumas vezes ao passar o dedo na parte lisa do disco eles soltam um pouco de tinta preta.
Da mesma forma que o silicone, esses matérias também prejudicam o agulha.
Confira a lista de materiais não recomendados para limpar vinis.

Na esquerda temos aplicação de graxa preta e na esquerda silicone.
Vinis pirata
Por mais incrível que pareça existem algumas versões de vinis piratas. Por isso desconfie de álbuns famosos com preços abaixo do mercado, de edições não oficiais com cores e formatos diferentes e álbuns que não foram lançados em vinil oficialmente.

Álbum "Ronserot" do Rammstein em vinil vermelho.
Geralmente os discos "pirata" apresentam capa com baixa resolução, rótulo mal colado no vinil, envelope interno é caseiro com péssima aparência e o áudio é de péssima qualidade.

Selo saindo e com bolhas de colagem manual.
Seria dever do vendedor informar quando está vendendo um disco "pirata", mas nem sempre isso acontece, principalmente em compras pela internet. Recomendo sempre uma boa pesquisa antes de fechar as compras.
Agora se você não estiver comprando realmente um bootleg ou um vinil com mixagens, saiba que esses vinis foram gravados com baixa qualidade e prensados de maneira rudimentar. Alguns discos desse tipo podem sim estragar a agulha do toca-discos, por isso deve-se ter cuidado ao comprar essas versões "piratas".

Bootleg do Metallica e disco de mixagem da Doctor Disco.
Fotos: Diego Kloss

Nenhum comentário:

Postar um comentário